Ministério da Música

Descrição do Departamento

Tendo em vista identificar corretamente o papel da música e dos músicos dentro da igreja, toda a atividade musical dessa deverá ser chamada de Ministério da Música. Desta forma, os músicos passarão a ter uma visão clara de seu papel como Ministros, e a igreja, uma visão clara da música, seu objetivo e sua mensagem, como um ministério. A música é um dos maiores dons dados por Deus e, por isso mesmo, se constitui em um elemento indispensável no processo de crescimento cristão.

Filosofia

Cremos que o evangelho exerce impacto em todas as áreas da vida. Por conseguinte, sustentamos que, dado o vasto potencial da música para o bem ou para o mal, não podemos ser indiferentes a ela. Embora reconhecendo que o gosto, na questão da música, varia grandemente de indivíduo para indivíduo, cremos que a Bíblia e os escritos de Ellen G. White sugerem princípios que podem formar nossas escolhas. Não há dúvida de que a música é uma expressão artística, que toca os sentimentos.

Missão

Motivar aqueles que estão envolvidos na música e adoração na igreja a desenvolverem um senso de ministério, comprometendo-se na prática do diálogo, pesquisa e oração, a fim de contribuir para a salvação de almas. Vivemos um momento difícil onde cada vez mais as pessoas e as sociedades expressam sentimentos religiosos sem uma clara orientação cristã e bíblica. A música se tornou uma questão fundamental que requer discernimento e decisão espirituais. Toda música que se ouve, toca ou compõe, quer seja sacra ou secular, deve glorificar a Deus. “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais, qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus” (I Coríntios 10:31). Este é o princípio bíblico fundamental.

Propósitos

Mostrar que a música deve ser avaliada, escolhida e produzida de maneira racional, tendo em vista o seu poder, e buscando cumprir o propósito de Deus para a edificação da igreja e salvação do mundo. O conselho Bíblico, dado por Paulo, é claro: “…cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento” (I Coríntios 14:15).